sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Engagement chicken, para os americanos. Na versão portuguesa: à maricas!



Esta receita leva-me de volta à minha infância nos anos 70 e aos lanches ajantarados de Verão, cheios de amigos, às manchas das t-shirts coloridas tingidas com cera, aos mocassins de camurça do meu pai, passeios de buggy na praia, os pinheiros e cactos do Estoril, o recém falecido Demis Roussos a cantar no radio no caminho para o Guincho, a cassette proibida do Chico Buarque, as sandálias altas e de sola compensada da minha mãe, uma enxurrada de tios e tias adolescentes à minha volta e colares de missangas vermelhas ...

Enfim!
Agora engagement chicken?!?!??! Porque raios os americanos chamam ao frango à maricas engagement chicken? Aaaaaaaahhhh, penso eu, já sei! O frango fica grávido do limão e a seguir tem de vir o noivado ( a púdica hipocrisia que abunda lá para aqueles lados do oceano atlântico já nos habituou a estas coisas)!!!


Nanananna!
Preconceituosa Pomme Maria!

Alguém arrancou uma receita italiana do dito frango, pôs em prática e usou o namorado como cobaia. Para comer o frango, claro. Passados dias, o rapaz .... proposes. A mesma alma passou a receita no escritório e no espaço de 1 mês mais não-sei-quantos namorados-cobaias decidem virar noivos; pelo que o frango passou a ter fama de ser capaz de obrigar um homem a pedir a mão da cozinheira, de tão bom que é...

Acho que romancear um clássico não tem nada de mal até porque o que é bom deve ser ... eterno e seria uma pena se uma coisa tão boa se perdesse  ...

Deixo a minha versão!








Uso:

- 1 limão, esfaqueado e cravado de 6 cravos-da-índia
- sumo de 2 limões
- 1 copo de vinho branco, seco
- 2 caldos de galinha, em cubo
- Sal
- Pimenta preta moída na altura


Como? Assim:

Num copo alto misturo, o sumo dos dois limões, o copo de vinho branco, os cubos de caldo de galinha o sal e a pimenta, e passo a varinha mágica até obter um molho com o qual se "besunta" o frango, por dentro e por fora, já no tabuleiro de Pirex onde vai ao forno. Dentro do frango ponho o limão cravado de cravos.

Deixo marinar por uma hora.


Vai ao forno a 150º C para cozer bem e, para tostar tostar melhor, vamos virando o bicho de meia em meia hora. Fica cozido se ao espetar um garfo na curva entre a asa e o peito o líquido que sai é translúcido.

Com salada de agrião e espargos verdes bebés, cortados pequeninos ...
Com salada grega, de tomate, azeitonas pretas  e queijo feta ...
Com Mateus Rosé ou Casal Garcia.
Com tudo que seja simples e descomplicado.
Como se quer ... depois da praia.


Ahhhhh saudades do Verão....





50 Shades of Chicken







terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Bolo de Bolacha para Campeõeeeees!!!!! Try!!!!!!!!!!!!!




Os meninos ganharam tudo o que havia para ganhar: Torneio Regional de Inverno, A e B e o Torneio da Cidade de Lisboa!!!!!!!!!!!







O jantar de famílias das escolas do rugby passou agora a ser um jantar de 53 jogadores entre os 12 e os 14 anos ao qual os pais se juntam para tomar café ... e porque o Vintage de Trás-os-Montes está atrasado, desta vez levamos só um Mega Bolo de Bolacha!!!!!!!

Fiz numa frigideira de paella, enorme, para atender a imensa freguesia e por este facto as proporções são muito desmesuradas.

Usei:
- 2 latas de leite condensado cozido
- 3 pacotes de natas para bater
- 7 pacotes de bolacha Maria
- 15 colheres de sopa de café solúvel
- 1 litro de água a ferver



segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Bolo de Merengue de Chocolate, by Donna Hay

chocolate meringue cake



Ingredientes:


·         240g chocolate negro, em pedaços
·         180g manteiga sem sal, em pedaços
·         2 ovos
·         4 ovos, extra, separados
·         ½ chávena (90g) açúcar amarelo
·         1 colher de chá de extracto de baunilha
·         ⅓ chávena (50g) farinha de trigo, peneirada
·         ½ colher de chá de fermento em pó, peneirada
·         ⅓ chávena (40g) amêndoa moída
·         1 chávena  (220g) de açúcar em pó
·         1 colher de chá de vinagre branco
·         3 colheres de chá de farinha de milho, peneirada
·         ¼ chávena (25g) cacau em pó, peneirado, mais algum extra, para peneirar no fim, sobre o merengue





 Como? Assim:

 Pré-aqueça o forno a  160ºC. Unte uma forma de 24cm de diâmetro,  forre o fundo com um circulo de papel vegetal e reserve.

Numa caçarola junte o chocolate negro e manteiga a derreter em lume brando e vá mexendo até derreter e ficar com uma consistência macia e homogénea.

Deixe arrefecer ligeiramente. Numa taça junte os 2 ovos, mais as 4 gemas extra, o açúcar amarelo e a baunilha e bata com a varinha mágica até ficar pálido e espesso. Leva cerca de 3 a 4 minutos.


 A esta massa espessa juntamos a mistura de chocolate, a farinha, o fermento e o miolo de amêndoa e envolvemos cuidadosamente com uma espátula.
Deitamos a mistura na forma já preparada e deixamos no forno por 35 a 40 minutos. Retiramos do forno e reservamos.

Aumentamos a temperatura do forno para 180ºC.
 Numa taça limpa de gordura colocamos a 4 claras extra e batemos com varas até formar  picos macios. Gradualmente juntamos o açúcar em pó e continuamos a bater com varas até dissolver o açúcar. Juntamos o vinagre  e batemos por mais 2 a 3 minutos até o merengue ficar espesso e brilhante.
Envolvemos a farinha de milho e o cacau em pó no merengue  e com uma colher vertemos o merengue sobre a base do bolo (esta tem de estar morna). Volta ao forno por mais 20 a 25 minutos ou até o merengue estar dourado e crocante.

Devemos deixar o bolo à temperatura ambiente por 15-20 minutos até desenformar e arrefecer completamente antes de levar ao frio.
Empoa-se com o cacau peneirado para servir.

É suposto o bolo ter um ar rústico e assimétrico – não se alarme se estalar ou abater.


terça-feira, 14 de outubro de 2014

Cataplana de pescada para quem não gosta de pescada

Ao fim da tarde uma das raparigas liga a dizer que está cheia de saudades e que vem jantar. A outra não podia porque estava cheia de trabalho.

Um esporão no calcanhar direito mais  a respectiva fascite plantar têm-me dado cabo dos dias e é com muita dificuldade que cozinho ou me aguento em pé ao fim do dia. Já tinha bifes  a descongelar mas ... o improviso é o meu nome do meio. Mas uma delas detesta pescada e salsa e coentros e ... desta vez introduzi alteração: ovos escalfados para gulosas. Nada de ervas e as dores no pé eram tantas que picar alho ... não consegui. Eu precisava mesmo de uma comida que se fizesse sozinha, em  lume fraco.

Vai daí, cataplana de pescada para todo o mundo e eu de pezinho no sofá.
Servi com gressinos de sementes de sésamo.
E afinal a outra safou-se do trabalho e também veio jantar e todos comeram pescada que se lamberam e todos - até o meu renitente filho se rendeu à maravilha de um ovo escalfado numa tomatada avinagrada - adoraram os ovos escalfados.







Usei:

- 1 cebola média, às rodelas
- 8 batatas médias, partidas ao meio
- 8 lombos de pescada
- 4 ovos
- tiras de pimento vermelho e amarelo
- 2/3 chávena de polpa de tomate
- 2/3 chávena de vinho branco
- 1/4 chávena de vinagre
- 1/2 chávena de azeite
- sal e pimenta a gosto


segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Bolo Inglês da minha tia Gracinda

Era este que encontrei manuscrito!


Nhaaammmmmmm ..... Baunilha!!!!!!!!!!!!!!



A Joana é a minha prima comadre - madrinha oficial do mais velho e madrinha executiva dele e da mana - e quando era piquenina dizia que "Bobilha é o melhó xelado do mundo!!!!!!"







Pois eu gosto dela no café, no leite, waffers enfiadas no café à laia de builder's tea, nos scones, num pound cake, num bolo de iogurte, em gelado ... enfim ... 







"Bobilha" é mesmo dos melhores sabores do mundo!




Merengue e Suspiro: a diferença!


A minha avó paterna, Sra. D. Alice de sua graça pessoal, aproveitava sobras de claras para fazer "suspiros" e ainda hoje o meu pai reclama quando sobram claras da magnífica produção do seu galinheiro lá da quinta: "Façam suspiros!"

Os anglófonos chamam-lhes "forgotten kisses" - beijos esquecidos, o que por si só já explica os ais mediterrânicos dos tugas suspirantes ...





Eu prefiro suspirar por um bom merengue ... de chocolate, com frutos vermelhos!






Merengue e Suspiro: o que têm de comum e o que os difere

De comum: a base - uma mistura de claras de ovo e açúcar. 
De diferente: a proporção dos ingredientes base; mais açúcar para os suspiros - mais duros - e menos açúcar para o merengue - mais húmido e macio.



Segredos do sucesso de um bom merengue:


Se usar uma taça de cobre a consistência das claras batidas vai manter-se mais estável graças a uma reação química inofensiva que se dá ao contacto da albumina com o cobre.
Se não tiver uma taça de cobre use umas gotas de sumo de limão ou um pouco de cremor tártaro ( o mesmo que usamos para endurecer a pasta americana com o intuito de modelar figuras nos bolos 3D) e obtém o mesmo efeito, para além de um ligeiro aumento do volume.

Deve separar as claras das gemas na perfeição. Um pingo de gema é quanto basta para fazer com que as claras não montem. De igual forma saiba que as claras batidas à temperatura ambiente montam com mais facilidade. Quanto mais recente for a postura do ovo, mais líquida é a clara e mais tempo leva a montar; no entanto depois de montadas mantêm-se mais estáveis.

Certifique-se que a taça bem como espátulas e varas que use para bater as claras estão absolutamente livres de gordura, caso contrário não as conseguirá montar.

Prefira sempre icing sugar/açúcar em pó que se dissolve mais rapidamente nas claras criando uma mistura mais homogénea e  mais fácil de montar.

Use as costas de uma colher para formar picos ou remoinhos de merengue na cobertura de tartes e leve de imediato ao forno assim que termine de preparar e sirva o mais rapidamente que puder assim que terminar de cozinhar.

Nunca cozinhe uma cobertura de merengue sobre um recheio que esteja frio ou a consequência será um merengue que cozinha demais e demasiado depressa no topo e fica cru junto ao recheio.












saber os sabores



LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...